Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > BANCO MUNDIAL SUGERE MEDIDA EFICIENTE PARA GOVERNO TEMER: ACABAR GRATUIDADE DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

Banco Mundial sugere medida eficiente para Governo Temer: acabar gratuidade do ensino superior público

23/11/2017

Em um relatório divulgado, Banco Mundial defende reforma trabalhista, congelamento dos gastos públicos e fim da gratuidade do ensino superior público

Escrito por: Pricila Baade

Nesta semana, o Banco Mundial divulgou um relatório que analisa os gastos públicos do Brasil e sugere alternativas, que em sua concepção, são “eficientes” para a economia do país. O que era para ser um documento sério e com dados concretos, em muitos itens parece ser uma análise encomendada pelo Governo Temer para justificar suas reformas e retrocessos.

Com o título “Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, as 160 páginas analisam os gastos do governo em áreas como saúde, políticas de apoio ao setor privado e programas de apoio ao Mercado do Trabalho e Assistência Social. Entre vários argumentos que defendem desde a reforma da previdência, até o congelamento dos gastos públicos por 20 anos, a análise traz uma alternativa de economia ainda mais absurda: extinguir o acesso gratuito ao ensino superior público. Segundo o relatório “Os gastos públicos com o ensino superior também são altamente ineficientes, e quase 50% dos recursos poderiam ser economizados”. Adotar essa medida é o caminho para perder todos os desenvolvimentos que o país teve desde 2003 em educação, que facilitou o acesso ao ensino superior a quem antes nunca imaginava ingressar em uma universidade.

Fica claro que um governo que considera educação um gasto e não um investimento, não está pensando no melhor para a população, mas sim, apenas em beneficiar seus aliados e os grandes empresários. Por mais que muitos dos alunos que frequentam as universidades públicas tenham condições de pagar por uma faculdade particular, defendemos que a educação seja gratuita e de qualidade para todos. O que deve ser feito é investir mais na educação básica, para garantir que todos acessem a um ensino de qualidade desde o início e, com isso, tenham as mesmas condições de alguém que estudou em uma escola particular para entrarem na universidade pública.

O relatório do Banco Mundial ainda diz que a proporção de alunos para cada professor é baixa e por isso sugere que, daqui em diante, não seja feita a reposição dos professores que se aposentarem. Ou seja, um professor terá que acumular o trabalho de dois, três ou mais trabalhadores de educação, já que não haverá mais contratações.  A justificativa é que as mudanças demográficas estão causando uma queda rápida do número de alunos nas redes públicas.

Os dados apresentados são completamente contrários à realidade que vemos nas escolas públicas, com professores trabalhando em condições precárias e com salas de aulas lotadas de alunos. O que problema na verdade é que, a exemplo do que vemos em Santa Catarina, muitos professores estão em desvio de função atuando nos cabides de empregos dos órgãos públicos, como as secretarias estaduais e gerências regionais de educação.

Nós, da CUT-SC, continuaremos sempre defendendo uma educação gratuita, laica e de qualidade social para todos. Estaremos atentos e mobilizados para denunciar os golpes que governo de Michel Temer está dando na população.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

TV CUT
Tutorial: Saiba como participar da campanha pela anulação da Reforma Trabalhista
Tutorial: Saiba como participar da campanha pela anulação da Reforma Trabalhista

#AnulaReforma

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br