Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > CAMPANHA SALARIAL SITESSCH: AUMENTO OFERECIDO PELO PATRONAL NÃO CHEGA A R$30

Campanha Salarial SITESSCH: aumento oferecido pelo patronal não chega a R$30

16/05/2018

Após muito diálogo, o valor ofertado pelo sindicato patronal chegou a 2%, representando 0,44% de aumento real. O percentual de reajuste pedido pelo sindicato da categoria foi de 5%.

Escrito por: Patrícia Duarte/SITESSCH

As rodadas de negociação ocorrem em Chapecó

 

Após muito diálogo, o valor ofertado pelo sindicato patronal chegou a 2%, representando 0,44% de aumento real. O percentual de reajuste pedido pelo sindicato da categoria foi de 5%. Esse valor garante ganho real maior para os trabalhadores, mas foi fortemente rejeitado pelos patrões nas rodadas de negociação. A comissão de negociação do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Chapecó e Região (SITESSCH) esteve reunida por três momentos com o patronal.

Com base no salário do profissional técnico de enfermagem, o valor oferecido pelo patronal representa menos de R$30 de aumento. A presidenta do Sindicato laboral, Maria Salete Cross, ressalta que o valor é uma afronta diante das necessidades dos trabalhadores que, ao longo de 2 anos viram “gás, luz, água, combustível, alimentação e vestuário se tornarem artigos de luxo na vida dos brasileiros. Isso é inadmissível”, afirma.

           Mesmo após muito debate e justificativas plausíveis que conferem aos trabalhadores o mínimo de reconhecimento profissional e salarial, os patrões mantiveram firmes a posição de que não há recursos para dar o aumento. A afirmativa vai contra o que é divulgado na própria imprensa catarinense, onde hospitais do estado receberão R$ 17 milhões de repasse através de recursos do governo federal via emendas parlamentares.

Maria Salete destaca ainda que, até o momento o fechamento da Convenção Coletiva não se efetivou pelo fato de o patronal querer impor condições quanto a cláusula da Contribuição Assistencial ditando regras para que a mesma seja colocada no acordo. Esta cláusula foi aprovada em assembleia pelos trabalhadores.

Outra imposição diz respeito a cláusula da Jornada em Regime Especial na CCT vigente até 2020 ou até o fechamento de uma nova convenção. Porém, o sindicato patronal exige a alteração desta cláusula, querendo que somente as empresas que forem filiadas ao sindicato patronal podem executar a jornada descrita na mesma. “Não vamos permitir que os patrões ditem regras do quê e como fazer com as cláusulas que dizem respeito somente ao sindicato laboral. A CCT deve ser respeitada”, declara Maria.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br