Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > BANCÁRIOS FAZEM UM DIA DE PARALISAÇÃO NAS AGÊNCIAS SANTANDER DE CRICIÚMA

Bancários fazem um dia de paralisação nas agências Santander de Criciúma

31/01/2018

Bancários fizeram hoje (31), um dia de paralisação com fechamento das 4 agências do Santander de Criciúma. O protesto acontece em todo o Brasil contra a implementação da reforma trabalhista no banco

Escrito por: Maristela Benedet

 

Bancários de Criciúma fizeram hoje (31), um dia de paralisação com fechamento das quatro agências do Santander de Criciúma. O protesto acontece em todo o Brasil contra a implementação da reforma trabalhista no banco. “A contrariedade do movimento sindical é porque os bancários possuem um acordo assinado por dois anos com os bancos   ainda em 2016 e, portanto as medidas da reforma só poderiam ser implementadas após a negociação com os sindicatos este ano”, explica o presidente do Sindicato dos Bancários de Criciúma e região, Edegar Generoso. Para o sindicalista a reforma trabalhista de Michel Temer começou a afetar os bancários do Santander, sem qualquer negociação com o movimento sindical, a direção do banco está impondo um pacote de maldades contra seus trabalhadores como:

-Demissão em massa;

 -Acordo com compensação de horas por seis meses valendo a partir de janeiro deste ano (sendo que na categoria nunca teve banco de horas;

-Parcelamento das férias dentro do critério da Reforma Trabalhista (considerado inconstitucional);

-Após quase 20 anos a data de pagamento dos salários é alterada do dia 20 para o dia 30 do mês e, o 13º salário que era pago em março e novembro agora será pago em maio e dezembro;

- O fim das homologações no Sindicato

  “As mudanças impostas pelo Santander demonstram que sua única preocupação é acumular lucros à custa dos trabalhadores. E respaldado pelo desmonte trabalhista, o banco tenta mais uma vez retirar direitos históricos conquistados pela categoria bancária.     Além da precarização das condições de trabalho, o Santander pretende prejudicar ainda mais seus funcionários também nos processos de demissões, com a possibilidade do fim das rescisões contratuais nos sindicatos”, critica o presidente. Na sua opinião o que está acontecendo no Santander pode acontecer com os demais bancos. “Não temos dúvidas de que o banco espanhol vai tentar colocar em prática tudo o que a reforma de Temer lhe permite e tentar ir além. Por isso, temos que nos organizar para impedir retrocessos. A classe trabalhadora precisa se levantar e lutar unida desde já”, destaca.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br