Twitter Facebook YouTube

CUT SC > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUE CENTRAL > FAMÍLIAS DO ACAMPAMENTO MARCELINO CHIARELLO SOFREM DESPEJO

Famílias do acampamento Marcelino Chiarello sofrem despejo

30/11/2017

As famílias foram abrigadas provisoriamente no Ginásio Municipal de Faxinal dos Guedes

Escrito por: Sílvia Medeiros (Portal Catarinas)

Logo que amanheceu o dia, nesta quarta 29 de novembro, um aparato com 200 policiais da tropa de choque, helicópteros e dezenas de viaturas foram até o acampamento Marcelino Chiarello do Movimento dos Sem Terra – MST, localizado no oeste do estado em Xanxerê e com ordem judicial despejaram cerca de 180 famílias.

Mesmo com audiência de conciliação agendada para dia 6 de dezembro, a juíza federal de Chapecó concedeu liminar para despejo das famílias. As famílias que estão na terra há cerca de um ano e meio, já fizeram o plantio de alimentos para sua subsistência, como milho, feijão, hortaliças, e também a criação de animais.

A área ocupada tem 1.000 hectares e de acordo com o MST, é de propriedade do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, fruto de uma desapropriação de dívidas com a união, o terreno já foi destinado em 1983 para a reforma agrária, porém estava sob posse da empresa Sementes Prezzotto.

A origem do acampamento Marcelino Chiarello aconteceu em Chapecó na Floresta Nacional, ocupada dia 4 de junho de 2016 e abriu o debate sobre a plantação de pinus americano em terreno que era para ser destinado a preservação da mata nativa. Depois de diversas negociações e remoções, as famílias se instalaram em Xanxerê. Com a ordem de despejo feita nessa manhã, as pessoas estão sendo conduzidas para o Ginásio de Esportes da cidade de Faxinal dos Guedes.

A desocupação do acampamento acontece um dia depois do aniversário de morte do vereador Marcelino Chiarello, que dá nome ao acampamento. Marcelino era vereador de Chapecó e foi encontrado morto em sua casa em 2011. A morte foi diagnosticada pela justiça como suicídio, porém amigos e lideranças da região questionam até hoje a falta de investigação apurada sobre o caso. Marcelino, professor estadual, se preparava para fazer uma denúncia de corrupção que envolvia grandes empresários e políticos do oeste catarinense.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
Tutorial: Saiba como participar da campanha pela anulação da Reforma Trabalhista
Tutorial: Saiba como participar da campanha pela anulação da Reforma Trabalhista

#AnulaReforma

RÁDIO CUT
Programa DizCUT Jornal dos Trabalhadores

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE SANTA CATARINA
Rua Visconde de Ouro Preto, 87 | Centro | CEP 88020-040 | Florianópolis | SC
Fone: (048) 3024-2053 | www.cut-sc.org.br | e-mail: cut-sc@cut-sc.org.br